27 de mai de 2011

Caixa d'água






FICHA TÉCNICA   -    OLIVAR CUNHA   -   pintura      
Título da obra: Invisíveis Quintais – Caixa d’água.
N.º: 42 da série
Local da conclusão da obra: Vitória – ES.
Ano: 2011.
Período: Junho de 2010 a maio de 2011.
Origem: Amazônica.
Material: Madeira / lona / tinta acrílica / verniz acrílico.
Técnica: Tinta acrílica sobre tela – Uso de espátula.
Autor da obra: Olivar Cunha.
Dimensões: Altura 20 cm Largura 20 cm  Espessura 1,2 cm .
Estado material: Normal.

COMENTÁRIO:
Castanha do Pará: O Projeto Jarí na época do Ludwig desmatou o castanhal de Monte Dourado e junto com ele todas as madeiras nobres da região como acapu, maçaranduba, etc.
Na região de Cumaru é feito o processo do replantio. A pesquisa para diminuir o tempo de crescimento das castanheiras já é um sucesso.
Árvore natural; 10 anos para dar frutos.
Processo avançado: 6 a 8 anos para dar frutos.
A castanheira chega até 70 metros de altura, produzem em cada safra aproximadamente 900 ouriços com 17 a 25 castanhas. A safra da castanha dura em média 12 meses, até o ouriço cair.
Pesquisa na região do Laranjal do Jarí e Cumaru. Extração e beneficiamento da castanha do Pará.
Desenho indígena: Resgate da cultura material e iconográfica amazônica.
Caixa d`agua: Caixa (de marabaixo) da CAESA, no bairro Marco Zero. Incentivo ao folclore amapaense.

OBSERVAÇÃO:
“Invisíveis Quintais” é uma pesquisa sobre o Estado do Amapá; Preservação, costumes, nações indígenas, folclore. A fase desenvolvida em Macapá e Espírito Santo transcendem a realidade. Existe aquém dos óculos. É a construção dos artefatos humanos revista em um passeio nos quadrantes do terreiro amazônico.


OLIVAR CUNHA
ARTISTA PLÁSTICO
RESTAURADOR


16 de mai de 2011

Cenários I





























FICHA TÉCNICA   -     OLIVAR CUNHA     -    pintura    

Título da obra: Cenários I.
.  01 da série.                                                     
 Local da conclusão da obra: Vitória - ES.
Ano: 2010.
Período: Setembro e outubro de 2010. Retoques em 2011.
Origem: Brasília e Amazônia.
Material: Madeira / lona / tinta acrílica / verniz acrílico.
Técnica: Tinta acrílica sobre tela – Uso de espátula e pincel.
Autor da obra: Olivar Cunha.
Dimensões: Altura 60 cm  Largura 76,5 cm  Espessura 3 cm .
Estado material: Normal.

COMENTÁRIO:
É uma obra que reúne a beleza de Brasília com o encanto da Amazônia (Macapá).

OBSERVAÇÃO:
Brasília está representada pelo Congresso Nacional com detalhes do Palácio da Alvorada, os dois Candangos, Catedral de Brasília.                                                       A concha da Câmara dos Deputados e as torres estão decoradas com trabalhos indígenas ( Apalai, Waianã e Tirios).Resgate da cultura material e iconográfica amazônica.Concha: Kaokokoxi – Lagarto Pequeno (desenho para Maruanã).     Torres: Atáta/Lagarto e Aikaka/Carangueijo.                                                          Concha do Senado Federal: Ouriço de castanha do Pará.
 Monumento Marco Zero do Equador: Macapá é a única cidade brasileira dividida pela linha do Equador.
Batuque: É uma das manifestações folclóricas mais expressivas no Estado do Amapá. No Batuque são utilizados três tambores denominados de Macaco, e três pandeiros de tamanhos diferentes específicos para o Batuque.
A grama do Congresso Nacional está representada pela pele da Onça Pintada (maior felino do continente americano, também o mais belo habitante da Amazônia).






Olivar Cunha
Artista Plástico
Restaurador





Data:

11 de abr de 2011

Jacyra

Acrílico sobre tela espatulada


FICHA TÉCNICA- OLIVAR CUNHA - pintura    
Título da obra: Jacyra.
N.º: 01 da série
Local da conclusão da obra: Vitória - ES.
Ano: 1992.
Período: Janeiro a abril de 1992.
Origem: Vitória - ES.
Material: Madeira / lona / tinta acrílica / verniz acrílico.
Técnica: Tinta acrílica sobre tela – Uso de espátula.
Autor da obra: Olivar Cunha.
Dimensões: Altura 80 cm  Largura 60 cm  Espessura 2 cm .
Estado material: Normal.

COMENTÁRIO:
O retrato de Jacyra Louzada Rocha foi baseado em uma foto 3 x 4 de 1945.
Jacyra Louzada Rocha (falecida em 2001), é mãe de Célia Maria Rocha Cunha e sogra de Olivar Cunha. 

OBSERVAÇÃO:
Esta obra pertence ao acervo da família.