27 de nov de 2010

Egito









Detalhes:



 FICHA TÉCNICA - OLIVAR CUNHA - pintura
Título: Egito.
Nº: 01
Local da conclusão: Vitória – ES.
Origem: Antigo Egito
Ano: 2008.
Período: Janeiro a outubro de 2008.
Material: Tinta acrílica/ lona/ madeira/ verniz acrílico.
Técnica: Tinta acrílica sobre tela (relevo) – uso de espátula e pincel.
Dimensões: Altura: 100 cm – Largura: 120 cm – Espessura: 3 cm.
Estado material:  Normal.

Comentário:
Osíris, uma das mais importantes divindades do panteão egípcio, filho de Geb, a Luz, e de Nut, a Noite, nasceu em Tebas, no Alto Egipto. Originalmente deus local de Abido e Busíris, Osíris, que representava a força masculina produtora na natureza, passou a ser identificado com o sol poente. Enquanto senhor do mundo infernal e juiz dos mortos, o seu reino localizava-se na misteriosa região abaixo do horizonte oeste. Osíris era irmão e marido de Ísis, deusa da terra e da lua, que representava a força feminina produtora na natureza. O deus dos mortos e da eternidade surge, geralmente, representado sob a forma humana mumiforme, com as mãos e a cabeça visíveis, emergindo do envoltório fúnebre. Exibe nas mãos os ceptros da realeza e, na cabeça, a coroa branca ladeada por duas penas e ornamentada com cornos de carneiro. De acordo com a lenda, Osíris, enquanto rei do Egipto encontrou o seu povo mergulhado na barbárie e ensinou-lhes as leis, a agricultura, a religião e outras bênçãos da civilização.

Observação:
Pesquisa sobre a civilização Egípcia.

18 de nov de 2010

REATAURAÇÃO: São Sebastião.

Estado material antes da restauração:











Restauração:











OLIVAR CUNHA - RESTAURAÇÃO

Título da obra: São Sebastião.
Local da conclusão da restauração: Jacaraípe – Serra – ES.
Período: Julho e agosto de 2009.
Origem: Religiosa.
Autor da obra: Desconhecido.
Dimensões: 100 cm.

ENFERMIDADES: 
- Sujeira por toda sua extensão (capa pictórica);
- Verniz quase inexistente (oxidado);
- Pintura desgastada e perdida por quase toda sua extensão;
- Aplicação de tinta inadequada para gesso;
- Quebraduras em quase toda sua extensão;
- Estrutura partida a 20 cm da base, presa somente por barbantes e arames internos de sustentação da peça;
- Braço direito partido na altura do cotovelo, preso somente por um arame de sustentação da peça;
- Pé esquerdo partido (utilização de substância inadequada na tentativa de restaurar);
- Base solta (gesso esfarelado).

COMENTÁRIO:
Obra confeccionada em gesso.
No tratamento, foi efetuada a limpeza da obra, composta as quebraduras e restaurada a capa pictórica. Devolvendo a sua originalidade em quase sua totalidade.
As enfermidades da obra foram provocadas pela ação do tempo e conservação e manuseio inadequado.
Obra com mais de 100 anos de idade.

OBSERVAÇÃO:
Esta obra deve ser acondicionada em lugar apropriado e manter limpeza periódica.

Proprietário da obra: Igreja de Santa Rita de Cássia.
Condurú – Cachoeiro de Itapemirim – ES.

OLIVAR CUNHA
ARTISTA PLÁSTICO
RESTAURADOR

17 de nov de 2010

RESTAURAÇÃO - Cristo Morto.


Estado material antes da restauração:











 Restauração:












  















OLIVAR  CUNHA   -   RESTAURAÇÃO
TÍTULO DA OBRA: Cristo Morto.
LOCAL DA CONCLUSÃO DA RESTAURAÇÃO: Jacaraípe – Serra – ES.
PERÍODO: 04 de outubro a 25 de novembro de 2009.
ORIGEM: Religiosa.
AUTOR DA OBRA: Desconhecido.
DIMENSÕES: 1,78 m de altura.

ENFERMIDADES:
- Quebraduras nas emendas, nas articulações dos braços (emendas feitas com gesso e cimento), (braços desprendidos do corpo);
- Cabeça perfurada por cupins e em quase toda sua extensão;
- Quebraduras, furos e rachaduras em partes de sua extensão:
- Abertura nas emendas de madeira;
- Pintura desgastada e imprópria na sua tonalidade, não condizendo com a original;
- Verniz inexistente (oxidação);
- Sujeira por toda sua extensão na camada de tinta aplicada aleatoriamente;
- Uso de material inadequado na pintura e nas emendas das articulações dos braços;
- Todas as enfermidades foram causadas pela ação do tempo, pelo manuseio e acondicionamento inadequado.

  
COMENTÁRIO:
Obra confeccionada em madeira.
No tratamento, foi efetuada a limpeza da obra, composto as quebraduras e restaurado a capa pictórica, com materiais apropriados a esta restauração;
As enfermidades da obra foram provocadas pela ação do tempo, conservação e manuseio inadequados.
As articulações dos braços (pregos e restos de lona), que serviam para movimentar os braços para fixá-los na cruz como também para mantê-los  juntos ao corpo. Os grandes furos nas mãos e nos pés serviam para fixá-los na cruz.
Os braços foram transformados para se manterem fixos por causa da deteriorização das articulações.
Aplicação de inseticida que combate o cupim.

OBSERVAÇÃO:                                                                                                                      Seu     acondicionamento deve ser em lugar apropriado e manter limpeza periódica.
Obra confeccionada entre o século XVIII e XIX.

 
Proprietário da obra: Igreja de Santa Rita de Cássia.
Endereço: Praça de Conduru (Cachoeiro de Itapamirim – ES)

OLIVAR CUNHA
ARTISTA PLÁSTICO
RESTAURADOR